quinta-feira, 28 de maio de 2015

PROMOÇÃO HARLEY

A Harley-Davidson Financial Services, braço financeiro da Harley-Davidson, anunciou promoções para a compra das motocicletas Iron 883 e Forty-Eight, ano/modelo 2014/2014, 2014/2015 e 2015/2015, válidas para todo o território nacional. A partir desta semana, os dois modelos da família Sportster podem ser adquiridos com taxa de 0,49% ao mês, com 50% de entrada e saldo em 12 ou 24 parcelas. A Iron 883 custa hoje R$ 34.900 e a Forty-Eight R$ 39.200.
A Harley-Davidson Iron 883 tem acabamento em preto fosco, rodas pretas, para-lama chopped, guidão drag style, tanque de combustível Peanut e lanternas traseiras com piscas integrados. A Iron 883 está disponível nas cores Black Denim, Sand Cammo Denim, Brilliant Silver Pearl e na pintura especial Hard Candy Quicksilver Flake. O motor Evolution é de 883 cm³ com câmbio de cinco marchas.
Forty-Eight
A Forty-Eight tem motor Evolution de 1.200 cm³, tanque estilo Peanut, pneu MT90 e roda preta raiada. Os espelhos retrovisores são montados sob o guidão e o sistema eletrônico permite a exibição de diversas informações no painel, como indicador de marcha e rotação do motor. A Forty-Eight é oferecida nas cores Vivid Black, Amber Whiskey, Charcoal Pearl e nas pinturas especiais Hard Candy Cancun Blue Flake e Hard Candy Big Red Flake.
Desde 2014, as duas motocicletas receberam sistemas de freios com ABS de série e controles de mão mais ergonômicos.
-Informações e imagens: divulgação-

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Harley-Davidson Street Bob

A Harley-Davidson Street Bob é uma moto de atitude que não passa despercebida na multidão. Montada em Manaus (AM), esta H-D tem vocação urbana, porém o espírito estradeiro fica evidenciado pela adoção do motor V2 de 1600 cm³ que esbanja torque. Isso sem falar no estilo jovial, traduzido pelos acabamentos em preto fosco, uma característica da linha Dark Custom da marca. Com preço a partir de R$ 44.400, a Street Bob foi uma grata surpresa pelo bom desempenho e ciclística, mas também pelo conforto proporcionado pela boa ergonomia do modelo.
A Street Bob não traz um grande aparato tecnológico, além do sistema de freios ABS esta integrante da família Dyna chama a atenção. Seu estilo flutua entre o clássico dos anos 50, com uma “pegada” mais agressiva, evidenciada pelo preto brilhante e fosco no acabamento de algumas peças: garfo dianteiro, aros das rodas, console preto texturizado e powertrain escurecido com capas também texturizadas. Além, é claro, do corpo da moto, todo fosco.
Na parte estética mais três detalhes chamam a atenção, o emblema da Harley no tanque de combustível com um estilo mais clássico e, para contrastar, lanternas traseiras multifuncionais. Ou seja, a luz de freio e a lanterna estão integradas às luzes indicadoras de direção. Isso cria um visual minimalista e clean na parte traseira da moto.
Bela peça, o console central é decorado com uma textura preta e inclui chave de ignição integrada ao tanque, com luzes de advertência, velocímetro e computador de bordo com indicador de marcha/RPM, tacômetro, relógio, medidor de quilometragem e diagnóstico do motor. As informações são alternadas por um botão no punho esquerdo e exibidas em uma pequena tela digital abaixo do velocímetro.
Motor
Seguindo os padrões estéticos da Street Bob, o motor Twin Cam 96, de dois cilindros em “V”, refrigerado a ar tem 1.585 cm³ de capacidade cúbica. Alimentado por injeção eletrônica de combustível (ESPFI), oferece respostas rápidas, sem ‘engasgar’. Mas o grande diferencial é seu torque: 11,9 kgf.m a 3.250 rpm. Força suficiente para ‘empurrar’ 304 quilos em ordem de marcha sem esforço.
Outra característica deste motor, cuja arquitetura tem mais de 100 anos, é a entrega de potência de forma linear, sem sustos, apesar do torque elevado. Na unidade avaliada, a transmissão de seis velocidades oferecia engates precisos. Suaves, nem tanto. Mas, como dizem os saudosistas, isso é uma característica da HD.
Ciclística
Na parte ciclística, o mais tradicional possível: garfo telescópico e sistema bichoque, com ajuste na pré-carga da mola, compõem o conjunto de suspensões que, aliás, copiam com propriedade as ondulações do piso. É claro que os pneus largos - 100/90B19 (D) e 160/70B17 (T), produzidos pela francesa Michelin Scorcher, também ajudam nesta missão.
Para oferecer mais segurança e confiança para o motociclista, a Dyna Street Bob traz freios a disco nas duas rodas com ABS de série. Na dianteira, pinça flutuante com quatro pistões e, na traseira, flutuante com dois pistões. 
O preço da moto varia entre R$ 44.400 e R$ 46.050, dependendo do padrão de cores – Vivid Black (preta fosca), um tom ou dois tons de cores (preto, cereja ou azul) ou a chamativa Hard Candy Custom, com muitos flakes (prata, com muito brilho).
Fonte moto.com

sexta-feira, 8 de maio de 2015

NOVA GERAÇÃO DA GSX-R 1000 COM VVT



       A nova geração da GSX-R 1000, deve aparecer pela primeira vez no Salão de Milão, na Itália, no final de novembro deste ano, como modelo 2016 da superbike da Suzuki. É o que aposta a mídia internacional especializada em motociclismo.
    A provavelmente nomeada GSX-R 1000 L1 será a resposta da Suzuki para os lançamentos dos modelos do “clube dos 200 cv” lançados este ano: Aprilia RSV4, Yamaha R1, Kawasaki H2, Ducati 1299 Panigale e o ainda conceito Honda RC213V-S.
      A “Gixxer” 2015 tem atualmente 185 cv. As especulações do novo modelo da GSX-R são baseadas em pedidos de patente registrados pela Suzuki principalmente para o sistema VVT (comando variável de válvulas) que permite variação no curso e no tempo das válvulas, em um motor de quatro cilindros em linha. 
    Criado pela Honda na década de 80 e utilizado em automóveis hoje em dia, o sistema permite ao motor trabalhar de forma que ele tenha ganhos expressivos na potência em baixas e médias rotações, sem afetar as altas e com expressiva redução de consumo e emissões de poluentes.
      A linha GSX-R comemora, em 2015, 30 anos de lançamento mundial. Hoje é a superbike mais icônica da montadora japonesa. O desenvolvimento do modelo, entretanto, só deu um salto grande em 2005 quando a Suzuki apresentou a K5 que mudou radicalmente o comportamento da moto tanto na conduções como na potência.

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Gasolina com mais alcool

O brasileiro que anda frustrado com o reajuste nos preços dos combustíveis pode se preparar para mais uma notícia ruim – a “nova” gasolina anunciada pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), que está valendo desde de 16 de março,  com 27% de etanol, vai aumentar o consumo de combustível dos veículos em até 4%. E como não tem esudos sobre como vai afetar os motores movido somente a gasolina a associação dos fabricantes de automóveis (Anfavea) recomenda que os carros a gasolina utilizem a "gasolina premium", cujo percentual de etanol não será alterado por enquanto.  Segundo o engenheiro Francisco Satkunas, da Sociedade dos Engenheiros Automotivos (SAE Brasil), a decisão deve resolver só o problema da indústria do álcool e penalizar o consumidor e ainda segundo Satkunas, com o novo teor da mistura esses veículos poderão apresentar deterioração nos componentes, dificuldades em dar a partida e falhas posteriores. Proprietários de motocicletas também devem enfrentar o mesmo contratempo.

Até agora, a solução encontrada pelo governo é sugerir que esses condutores, donos de motos, importados e veículos antigos, abasteçam com a gasolina premium, que permanece com a porcentagem de 25% de etanol. O problema é que o combustível é ainda mais caro que a gasolina comum. “O consumidor vai ser penalizado novamente. Essa medida vai favorecer um segmento, que é a indústria do álcool, e quem vai pagar a conta novamente é o consumidor”, finalizou o engenheiro.

outra noticia e que a partir de julho, a gasolina comercializada em todo o país vai conter detergente dispersante. Ou seja: terá um mínimo de aditivação. A medida faz parte de uma resolução da ANP (Agência Nacional do Petróleo), que entra em vigor no dia 1º de julho. Embora não implique mudanças tão significativas para os revendedores, toda alteração gera muitas dúvidas durante adequação. Com essa melhoria na qualidade da gasolina brasileira, ainda não está claro se haverá aumento de preço para o consumidor.
 
O fato concreto é que quando a medida entrar em vigor, na bomba, o consumidor continuará tendo duas opções de produto: a Gasolina Comum e a Gasolina Aditivada. 
 
A ANP informou que a mudança virá para atender à evolução tecnológica dos motores e, principalmente, oferecer um produto menos nocivo ao meio ambiente, uma vez que a gasolina vai reduzir as emissões de gases poluentes. Isso se deve à nova composição com menos enxofre.
 
Para os veículos, a medida também deve trazer benefícios. O aditivo dissolve partes de parafina presentes no combustível, ou seja, serve para manter a linha de alimentação limpa - isso inclui peças como bomba, bico injetor, entre outras. Manter o motor limpo impede a perda de pressão das válvulas e ajuda a manter a potência.
 
Principais benefícios da gasolina aditivada
1 – Limpeza - Ajuda a manter limpo o motor do carro. Motor limpo funciona melhor.
2 – Bicos - Mantém limpos os bicos da injeção eletrônica.
3 – Antioxidante - Por ter antioxidantes, a gasolina aditivada conserva mais o combustível.
4 – Melhor queima - Mantendo o motor mais limpo, há melhor queima de combustível na câmara de combustão, o que gera melhor funcionamento do veículo.
5 – Mais limpa - Com menos enxofre, a gasolina polui menos o meio ambiente.

CB 500 X linha 2015

A Honda inicia a comercialização da linha 2015 da aventureira CB 500X, que chega à rede de concessionárias da marca na segunda quinzena de abril em novas tonalidades e grafismos: vermelho perolizado, disponível apenas na versão standard; e a versão ABS nas tonalidades preto fosco ou branco perolizado, esta última com grafismo na carenagem do tanque de combustível inspirado na versão europeia.
A Honda CB 500X vem equipada com motor DOHC (Double Over Head Camshaft), bicilindrico de quatro tempos e 471 cm³, com duplo comando de válvulas no cabeçote, quatro válvulas por cilindro e arrefecimento a líquido. O propulsor desponta com uma potência de 50 cavalos a 8.500 rpm e com torque de 4,55 kgfm a 7.000 rpm.
A linha 2015 da crossover CB 500X  será comercializada nas versões standard e ABS (freio com sistema antitravamento), com preço público sugerido de R$ 24.624 (STD) e R$ 26.198 (ABS). Os valores tem como base o Estado de São Paulo e não incluem despesas com frete e seguro. A garantia é de um ano, sem limite de quilometragem.
Foto: Honda/Divulgação