terça-feira, 26 de agosto de 2014

BMW R 1200 GS Adventure x Triumph Explorer XC

A grande vantagem das motocicletas bigtrail, além, é claro, de proporcionar conforto e segurança em longas viagens, é o fato do condutor não precisar escolher os caminhos que quer tomar durante sua aventura. Basta decidir para qual direção ir, ajustar os devidos equipamentos eletrônicos (como controle de tração e ABS, por exemplo) e acelerar, sem se preocupar com a qualidade da rodovia e/ou trajetos em terrenos acidentados. 
Disputando o mesmo público-alvo, alemã e britânica utilizam de diferentes artifícios para conquistar o cliente. Enquanto a BMW usa e abusa dos eletrônicos e tem preço público sugerido de R$ 87.900, a Triumph disponibiliza “apenas” controle de tração e freios ABS, mas pode ser encontrada por R$ 63.500. No entanto, percebendo o crescimento de sua concorrente, a montadora bávara anunciou recentemente que irá montar o modelo R 1200 GS Adventure (e sua versão standard) na planta da Dafra em Manaus (AM) a partir de setembro de 2014, o que fará o preço “despencar” R$ 9.000, passando a custar, então, R$ 78.900.
Nas grandes auto-estradas, ambas são irrepreensíveis, mas com comportamentos distintos. De um lado, o propulsor de dois cilindros opostos, 1.170 cm³ de capacidade e arrefecimento líquido da R1200 GS.
De outro lado, o motor de três cilindros em linha de 1.215 cm³ de capacidade e arrefecimento líquido da Triumph, que produz 137 cavalos de potência máxima a 9.300 rpm e torque máximo de 12,34 kgf.m já a 6.400 rpm. Por ser um “meio termo” entre os bicilíndricos e os tetra cilíndricos, esse propulsor tem ótima resposta em todas as faixas de potência.
Ambas são equipadas com transmissão final por eixo-cardã, que é quase livre de manutenções, e câmbio de seis velocidades. Comparando o desempenho de uma com a outra, nas auto-estradas a Triumph leva certa vantagem. Mostra mais vigor em altas rotações e um funcionamento mais suave, com menos vibração. No entanto, a proteção aerodinâmica e o conforto são melhores na Adventure. O piloto fica protegido pelo para-brisa, que conta com regulagens manuais de altura. A Triumph também oferece para-brisa com regulagens, no entanto, pilotos com mais de 1,82 metros de altura, o vento é direcionado diretamente para o topo do capacete mesmo no ajuste mais alto, gerando certa turbulência na cabeça.
Por ser robusta, com peso de 260 kg em ordem de marcha (parecendo quase um veículo militar), a BMW perde um pouco de agilidade nas mudanças rápidas de direção. Não que seja ruim no asfalto, mas, nesse ponto, é a Triumph que se sobressai. Veloz e estável, a bigtrail inglesa pode até mesmo ser classificada numa nova categoria, que chamaríamos de “sport-trail”, tamanha facilidade que encontra para contornar as curvas. Tem um motor potente, ótima ciclística, freios e suspensões eficientes. Deitá-la na curva é tarefa fácil e gostosa e a moto parece não ter limites de ângulo de inclinação.
Na terra
A BMW R 1200 GS Adventure traz para-lama superior com prolongador, aletas laterais maiores, cercados pelas barras de proteção metálicas que chegam até o motor. O modelo conta ainda com faróis de milha, protetor de cárter e protetores de mão, tudo para garantir maior segurança e conforto, tanto na terra quanto no asfalto. Além, é claro, do conjunto de suspensão. Na traseira, o Paralever agora está com 220 mm de curso, enquanto o Telelever dianteiro teve seu curso aumentado para 210 mm. Ou seja, a Adventure ficou mais alta para poder encarar a terra sem medo.
Na Triumph, a diferença para o modelo “comum” começa já nas rodas raiadas, que oferecerem mais resistência a pancadas. Além disso, os raios centrais permitem o uso de pneus sem câmara (como na BMW), que são mais fáceis de reparar em caso de furo. Há ainda protetores de mão, barras de proteção do motor e tanque e um protetor de cárter de alumínio. Assim como sua rival, a Explorer XC conta com dois faróis auxiliares que ajudam a iluminar o caminho.
Para transpor os obstáculos com mais facilidade, ambas contam com rodas de aro 19 polegadas na dianteira, e 17'', na traseira, ambas equipadas com pneus de uso misto de fábrica.
Eletrônica.
A diferença de preço entre a BMW R 1200 GS Adventure e a Triumph Explorer XC pode ser explicada, em partes, pela eletrônica embarcada. Nesse ponto, como o valor final do produto já indica, a BMW leva vantagem. Além de ter sistema de freios ABS desligável, a Adventure sai de fábrica com controle de tração (ASC) e cinco modos de pilotagem: Rain (piso molhado), Road (asfalto), Dynamic (dinâmico), Enduro (off-road) e Enduro Pro (recomendável para uso com pneus cravados). Outro equipamento importante é a suspensão semi-ativa Dynamic ESA (Electronic Suspension Adjustment), que ajusta automaticamente a suspensão traseira de acordo com o piso. 
Já a Triumph é um pouco mais simplista e conta apenas com controle de tração ajustável em dois níveis com a opção de ser desativado, assim como os freios ABS. Tudo em conjunto com acelerador ride-by-wire. Alguns itens, como o aquecedor de manopla, estão disponíveis como opcionais.
Conclusão
A escolha entre as duas é muito pessoal e pesa também o bolso. Ambas cumprem o que prometem, são muito eficientes, tanto na terra quanto no asfalto. No entanto, cada uma se sobressai em um desses ambientes. Triumph gosta um pouco mais do asfalto, principalmente pela configuração de seu motor e sua postura de pilotagem. A BMW tem maior capacidade off-road, mas fica um pouco para trás nas rodovias. Por outro lado, seu tanque de combustível de maior capacidade (30 litros contra os 20 litros da britânica) aumenta sua autonomia.
Fonte: Moto.com

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Honda CBR 600RR

Esportivas de 600cc são voltadas aos motociclistas que buscam esportividade para acelerar em uma pista, mas também querem algum conforto para rodar “civilizadamente” em estradas. Desde que surgiu em 2007, a Honda CBR 600RR buscou cumprir essas propostas. O modelo 2014, que desembarcou recentemente no Brasil, dois anos após seu lançamento no exterior, promete ser ainda mais amigável no uso em estrada e mais eficaz em um autódromo.
Renovada, a CBR 600RR 2014 ganhou uma carenagem mais aerodinâmica, inspirada na MotoGP, com nova entrada de indução direta de ar; garfo dianteiro mais moderno do tipo Big-Piston Fork da marca Showa e melhorias na alimentação do seu motor. Importado, o modelo japonês tem preço sugerido de R$ 49.500 na versão standard, aqui avaliada. A versão com os bons freios C-ABS eletrônicos já está disponível por R$ 52.500.
A Honda tentou tornar a 600RR uma esportiva boa para as ruas e estradas. A começar pelo comportamento do motor: há bastante força em baixos e médios regimes, mesmo que o torque máximo de 6,73 kgf.m só chegue a 11.250 rpm. A CBR 600RR tem acelerações vigorosas: faz de 0 a 100 km/h em 3,99 segundos. Agora quanto à potência, que não foi alterada, só resta dizer que os 120 cv são mais que suficientes para manter velocidades bem acima do permitido.
Fonte moto.com

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Encontro Nacional Águias de Cristo em Belo Horizonte


segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Kawasaki Ninja 300 com roupa nova na Europa

Assim como aconteceu com as superbikes maiores da Casa de Akashi, a pequena Ninja 300 irá receber uma edição comemorativa pelos 30 anos da família. A roupagem tem a mesma mescla das cores verde, preta e branca das superbikes ZX-6R e ZX-10R apresentadas anteriormente e deve chegar às concessionárias europeias no final do ano.
Da mesma forma que acontece com os outros modelos com pintura especial, a mecânica permanece a mesma, sem alterações, portanto, um motor bicilíndrico paralelo de 296 cm³ capaz de gerar até 39 cavalos de potência máxima a 11.000 rpm.
Além das superesportivas, outro modelo contemplado com uma série especial de aniversário é a sport-touring ZX-14R. Para esta, no entanto, foi escolhida a roupagem vermelha e preta alusiva à GPZ900R, a primeira a ser chamada de Ninja. Por enquanto, nenhuma das edições foi anunciada para o Brasil.

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Os Aventureiros MC possui nova diretoria.


Foto: José Maria de Sá - Presidente dos Os Avenureiros MC.



Em reunião realizada no dia 26 de julho, em Rio das Mortes - São João Del Rei. Foi votada nova diretoria para OS Aventureiros MC. Sendo eleito Presidente José Maria de Sá, Vice Presidente Weber Soares.
Para Diretoria da Sede Juiz de Fora, foram eleitos Dirertor: Julio, Vice Diretor Clodoaldo Otoni e Diretor financeiro: Talita . 
Para Facção São João Del Rei: Diretor: Eustacio Vice Diretor Willian, Diretor de finanças Daniel e secretario Forastiere.
Sendo ainda ratificada a diretoria de Rio das Ostras que não teve alterações em seu quadro.


sexta-feira, 25 de julho de 2014

Dia do Motociclista - Doe esta ideia


Palavra do Presidente OAMC - Reunião Anual

Lucas 17:11-19
"E aconteceu que, indo ele a Jerusalém, passou pelo meio de Samaria e da Galiléia;
E, entrando numa certa aldeia, saíram-lhe ao encontro dez homens leprosos, os quais pararam de longe;
E levantaram a voz, dizendo: Jesus, Mestre, tem misericórdia de nós.
E ele, vendo-os, disse-lhes: Ide, e mostrai-vos aos sacerdotes. E aconteceu que, indo eles, ficaram limpos.
E um deles, vendo que estava são, voltou glorificando a Deus em alta voz;
E caiu aos seus pés, com o rosto em terra, dando-lhe graças; e este era samaritano.
E, respondendo Jesus, disse: Não foram dez os limpos? E onde estão os nove?
Não houve quem voltasse para dar glória a Deus senão este estrangeiro?
E disse-lhe: Levanta-te, e vai; a tua fé te salvou."  Deus tem colocado um sentimento em meu coração de GRATIDÃO, sentimento que de certa forma me constrange por inteiro, quando penso nas suas misericórdias, no seu perdão, nos seus cuidados com a minha vida e com a vida dos meus amados, posso ter uma breve idéia do significado da imerecida graça que Ele tem para conosco.
Vivemos na correria do dia a dia, trabalhando, estudando, cuidando das nossas coisas e muitas vezes acabamos deixando essa correria tirar de nós a gratidão de tudo aquilo que Deus ja fez e fará por nós.
 A palavra de Deus diz: “Não se preocupem com nada, mas em todas as orações peçam a Deus o que vocês precisam e orem sempre com o coração agradecido” (Filipenses 4.6).


Hoje tão somente agradeço a Deus por ter chegado até aqui com vocês, de todo trabalho que realizamos juntos enquanto Moto Clube.


 Agradeço o empenho de cada integrante em manter viva a chama plantada no coração de nosso fundador e primeiro presidente Valério. Pela paciência que tem para comigo. Agradeço a Deus porque ele tem cuidado de cada um de nós nos protegendo nas estradas, nos dando condições de estarmos juntos. Pela sabedoria para resolver os problemas que surgem, causado por nossas fraquezas.  


E com certeza agradeço desde já pelos anos que ainda passaremos juntos nesse mesmo espirito de união, companherismo e alegria. Estamos prontos para mais uma jornada. Muito obrigado meu Deus.